26 de dez de 2009

Capital



Tem sol e chuva em São Paulo.
Tem feira livre nas ruas
E um povo que não conheço.
Tem barulho e tem luar,
Tem vento assoviando entre os prédios,
Tem muita gente comendo
E bebendo muita cerveja,
Mas não podem mais fumar –
O que é uma pena.


Gosto de cheiros em geral.

  Sampa, novembro de 2009

18 de dez de 2009

Sem braço

A velhinha de branco caminha na praça
E só tem um braço.
Onde o outro seria, esvoaça a manga da blusa,
Despregada.

A ausência do braço deu à velhinha
Um andarzinho torto, envergado.
Anda tortinha a velhinha, olhando para o lado,
Como se estivesse à procura
Do braço cortado.

A praça encosta-se à porta da igreja
E ali fica, à espera de quem passa.
No céu, onde o sol seria,
Voam nuvens escuras, carregadas.

A manga leve e vazia,
Passinhos miúdos, olhar de cansaço,
Atravessa a praça a velhinha

Que ainda tem o outro braço.

Cunha, novembro 2009

28 de nov de 2009

Amor animal

A galinha correu,
O galo voou.
A galinha parou,
O galo alcançou.
A galinha arrepiou,
O galo montou.
A galinha gostou?

A galinha botou,
O galo cantou.


Grota do Junco, outubro de 2009

Vôo livre

A ave que não sabia
Em que galho pousaria,
Ficou no céu a voar.

O corpinho tão pequeno,
Umas asinhas assim -
Seguindo um vento ameno,
O voar não tinha fim.

A noite, porém, foi chegando
E do luar já se via
A luz se esparramando.

Avezinha, avezinha,
Que nenhum galho queria.
Pousou no céu que se abria
Pra recolher sua vidinha.


novembro 2009, para Diana Voigt
in memoriam

24 de out de 2009

Feijoada de sábado

Hoje, de relance, vi o seu rosto
Naquele restaurante de esquina,
Muito badalado.
E você olhando de lado,
Ah, olhando de lado...

Foi apenas um instante
A visão do restaurante
Lotado,
Ah, muito lotado.

Se eu ficasse ali parada
Prá ver se você me via,
Um cardápio alguém traria.
E eu que fome não tinha,
Ia pedir feijoada,
Ah, ia pedir feijoada.

Ia ficar bem sem graça,
Me enroscar no tira-gosto,
Ler o menu todo errado.
(E o seu gosto é delicado,
Ah, ele é muito delicado.)

Só que passei ligeirinha,
E o restaurante famoso
Que nem feijoada tinha,
Engoliu na sombra o seu rosto
E a vergonha que era minha.


Cunha, 24.10.2009

26 de ago de 2009





Curva de Rio

O bairro do Paraibuna
É igual curva de rio
A tranqueira aqui se encalha,
Livrar dela é um desafio.

Gente cheia de malicia,
Contando papo furado,
Ou fugindo da policia
Ou de amor desenganado,

Gente sofrendo do juízo,
Todos param por aquí,
Em busca do paraíso
Que eu achei e já perdi.

Gente com o pé na cova
Sem ter onde cair morto,
Chega aqui e já é prova
Que o direito acaba torto.

Gente que se atrapalha
E arma encrenca demais,
Que só é fogo de palha,
Um pé na frente e outro atrás.

Gente falando grosso,
Contando papo a valer
Com o laço no pescoço
Vive no bar a beber.

Sai assim cruzando as pernas,
Errando o caminho da casa.
Se mete em muitas badernas,
É passarinho sem asa.

Ir se embora não tem jeito
Se mudar não dá mais pé
Só dá pra esquentar o peito
Bebendo pinga com “mé”.


Fevereiro de 2007

Berne na cabeça

me deu berne na cabeça,
deu cocera no suvaco
devagá, sem muita pressa,
tô saindo do buraco.

as vaca mugi distante,
os cavalo faiz baruio.
sofrimento foi bastante,
quem amei foi um baguio.

13.05.2008

25 de jul de 2009


Sábado de Aleluia

Os tições estralam no fogo aceso
Que tenta tirar a frieza do dia –
E frio ele está, assim neblinoso,
Ainda confuso, não sabe se abre
Espaço pro sol, ou fecha e se encolhe
À espera da chuva.

Ah, dia estranho, aqui me coloco
À tua procura –
Se abres, morro de felicidade,
Se fechas, me enrolo e me perco no escuro.

Podia ter sido assim diferente?
O começo de um caso
Ou o fim de um futuro?

Estrala no fogo tiçãozinho aceso,
Me acorda e me abre,
Me salva do medo.

Abril de 2006

5 de jul de 2009



Pegadinha boba

Peguei o carro e saí,
Passei no sinal errado.
Me arrisquei, quase morri,
Sem pensar no resultado.

Besteiras se fazem aos montes,
O certo está definhando.
As águas não morrem nas fontes,
Meu corpo está congelando.

Se morri foi porque quis,
Se vivi foi por paixão.
Já quebrei o meu nariz
Mas mantive o coração

Viena, 20.06.2009